Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NEY VALENÇA

 

Ney Valença é Poeta, Músico, Compositor. Seu nome real é Sidnei Valença. Nascido  no Rio  de Janeiro, em  1955   de   onde  veio para Brasilia   quando    seu Pai, militar,    fora transferido em   1961,    um   ano   após a inauguração da Nova Capital. Ney Valença  escreveu dois livretos de Poesias, ABRAÇANDO A POESIA, em 2016 e ÚLTIMAS GOTAS,   em 2017, produção independente.

Ney Valença participou e venceu vários Festivais de Músicas na década de 90, participou e expôs seus Livros na III Bienal do Livro de Brasília e também da 33a Feira do Livro de Brasilia. Membro da Academia Cruzeirense de Letras/DF, Participe do Coletivo de Escritores Celeiro Literário Brasileiro, Leia-me, do qual é co-gestor. Também é Diretor na ONG. FIRHMA -Fundação Internacional de Recursos Humanos e de Proteção ao Meio Ambiente. 

 

COLHEITA 2, Celeiro Literário Brasiliense, Leia-me;  organização e correção de Ronaldo Alves Mousinho. Brasília, DF: Arteletras Editora, 2017.
132 p.  ilus.  14,5 x 22 cm.  ISBN  978-85-9506-038-8   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

         Beijo tênue

 

Torno-me mistério em tua boca,
quando dizes que me ama ao vento,
perpétua meu nome no tempo,
sela nosso amor no infinito,

 

Abrigas em tu'alma lamentos
sórdidas nuvens de pura dor.
Cansa-me ver-te em agonias
onde outrora foste só amor.

 

De um alegre e angélico canto
nasce tonantes de discórdia,
acordes de tristezas,  claves de dó
e colcheias de sofrimento.

 

Fiz-te vida de,um sopro alado,

na face exposta ao beijo ténue,

do ventre da jovem flor de primavera,

que desdenha outonos tântricos

e rejeita a cria num medo inocente.

 

Torno-me mistério em tua boca,
}segredos frios em lingua quente
de salivar poético e gótico, exótico,   
de linguajar de encantos.

 

Porquanto vives de olhar perdido,

no desejar do silêncio, -

a sonhar quimeras negras

         no amanhecer de um dia branco.

 

 

Cheiro de menina

 

Meu sorriso

nasce em sua boca,

como folhas,

brotam_no arvoredo.

Meus segredos

voam em seus sonhos

e o meu corpo

arde em seus desejos.

 

Em seus olhos
clareio minh'alma.
Na pura cor
de sua retina
amanheço,

na alegria do seu colo
adormeço,

com seu cheiro de menina.

 

 

Página publicada em abril de 2019


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar